No Dia do Repórter, a mensagem ao estagiário

O foco desse humilde blog não é falar de jornalismo. É poder exercer um pouco o prazer de passar notícias, apuradas pelo autor, com liberdade de texto. Provavelmente, ele será temporário. O que me importa, no momento, é que me dá prazer. E, me desculpem a ousadia: prazer é fundamental.

Mas, passada a introdução, é claro que gera uma curiosidade grande saber o que alguém que até outro dia completara 17 anos em um veículo da Grande Imprensa pode dizer agora, assistindo a tudo do lado de fora. Então, resolvi usar o Dia do Repórter (uma babaquice que deve ter sido criada por um político que não tinha mais o que fazer) para criar uma seção que falará um pouco sobre jornalismo: “mensagem ao estagiário”.

Nessa primeira mensagem, queria deixar claro que não dá para cairmos naquilo que um querido ex-editor (não digo que é o Gilberto Scofield) define como “mágoa de cabocla”. A Grande Imprensa me formou, ela ainda é a referência em jornalismo e possui excelentes profissionais.

Mas, como nossa mensagem é voltada para o estagiário, aproveito para dar um conselho de um bem-sucedido desempregado. Menino, nunca deixe de ser repórter.

Por pura incompetência mesmo, admito, construí minha carreira atrelada a esse ser. Repórter de cidade, repórter de nacional, repórter especial (ou portador de necessidades especiais, sendo mais politicamente correto). Os seres chefe, editor, editor-chefe nunca me atraíram muito. Não tinha tanta vontade assim – nem talento, repito – de ser um deles, para ficar mais claro.

Os melhores editores que tive (com sorte, você irá conviver com eles, menino estagiário) com certeza foram grandes repórteres. Com a habilidade de ser editores. Seres mais completos do que esse que vos fala.

Menino, longe de mim querer te convencer de alguma coisa, mas faça um favor a você mesmo: cole nos grandes repórteres e nos grandes editores-repórteres. Você vai longe. E o meu conceito de ir longe é simples: você será uma pessoa melhor.

Já que estou falando contigo, menino, tomo a liberdade de dizer que essas pessoas é que salvam o que chamamos de jornalismo. Esses caras te ouvem. Mostram o caminho, mas sabem que você precisa ter voz. Você está botando a cara, você é quem está na linha de frente.

Menino, fuja daquele que te traz as pautas do seu pequeno cotidiano pessoal; de quem ouviu a empregada dizer uma coisa impressionante; de quem precisa ter ideias para manter o seu ego em dia. Possivelmente, ele nunca chegará perto de você. Mas, ao sentir um sinal , fuja.

Então, garoto, vou te liberar porque, com certeza, você tem mais o que fazer. Mas, se você quiser guardar, pode levar os conselhos que dei. Talvez, numa definição melhor, são recomendações. Ou, abreviando, “recos”. Ops, ao sentir um sinal, fuja!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s